1 de maio de 2018

Os 10 Anos Do Coletivo O Estopim! e a Luta Pela Memória, a Verdade e a Justiça.


Por Bruna Jacob


Nesse dia 1° de maio, dia de luta da classe trabalhadora, o coletivo O Estopim! comemora 10 anos de existência. Nascido nas fileiras da Universidade Federal da Bahia, com presença importante do Diretório Acadêmico de enfermagem, de estudantes da área da ciência da informação e cursos correlatos (arquivologia, biblioteconomia e museologia), além do importante movimento de casas de estudantes - representado pela ACEB -, desde sua fundação O Estopim! se dedica à construção da luta, sempre na perspectiva de respeito aos direitos humanos.

25 de março de 2018

Mulheres SEM MEDO de mudar a universidade, o Brasil e o mundo!

Rumo ao 8º EME da UNE, que acontecerá entre 30 de março a 1º de abril, na Universidade Federal de Juiz de Fora (MG)




Historicamente a luta pela democratização do acesso à educação tem um protagonismo importante das mulheres organizadas em defesa da mesma. Mesmo sendo maioria nas universidades há duas décadas, a verdade é que as mulheres ainda não encontram nessas instituições um ambiente confortável e acessível diante de suas especificidades. Para além da pouca representatividade das mulheres nas instâncias deliberativas das universidades, ainda resistimos ao machismo e racismo institucional durante todo o nosso percurso acadêmico.

18 de março de 2018

O corpo se foi, mas o sonho resiste


Pautas do movimento negro e homenagens à Marielle Franco marcam o último dia da Tenda Sem Medo no FSM 2018


Texto: Thídila Salim


O terceiro e último dia (16) da Tenda Sem Medo no Fórum Social Mundial (FSM) manteve sua programação original, porém, todas as atividades da tenda foram marcadas por menções e homenagens a ex-vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, morta à tiros nesta quarta-feira (14), por volta das 21h30 no centro do Rio de Janeiro. O dia final do evento foi aberto com uma grande roda de conversa feminista Mulheres Sem Medo, com a participação de Paula Coradi, executiva nacional do PSOL, Marcela Prestes, militante feminista contra a violência obstétrica, Andrea Zhouri da organização Brigadas Populares, Sandra Siqueira do coletivo Lemarx, entre outras convidadas significativas do movimento feminista nacional. A discussão foi aberta a todas as mulheres presentes na tenda, que tiveram tempo de contribuir com a roda expondo pensamentos e críticas. A atividade foi construída para trocar experiências e informações sobre a pauta feminista nos movimentos sociais e organizações políticas do Brasil e do mundo. Paula foi a primeira das convidadas a se manifestar e iniciou sua fala prestando homenagem a Marielle: “Não tem como o espaço não ser sobre isso”. O principal assunto girou em torno da mulher negra na sociedade, também foi discutido a violência obstétrica, leis de atentado a vida das mulheres, lesbofia, entre outros temas.